Nova edição do Voices com tradução dos Abstracts para Português…

https://voices.no/index.php/voices.
Segue o link para a nova edição do Voices, o qual agora conta com a tradução dos abstracts para outras línguas, inclusive o Português do Brasil.
Basta acessar, no lado direito, o ícone Language e escolher o idioma.
Tive o privilégio de realizar as traduções. Quero agradecer às musicoterapeutas Lilian Engelmann e Aline Sampaio pela colaboração com alguns dos termos e na revisão, respectivamente. Muito obrigada!
Desejo que aproveitem a leitura e estou à espera de devolutivas e sugestões em relação à tradução.
Camila S G Acosta Goncalves

Neurociência volta-se pra Musicoterapia na melhora de doenças…

Palestra por vídeo conferência com Gustavo Gattino – Considerações sobre processamento auditivo-musical no Autismo…

autismo_2

Faça sua própria dança com as Musicoterapeutas e Terapeutas Corporais Fabiane Alonso Sakai e Letícia Salum…

ImageProxy

A vida nos coloca limites para descobrirmos novas maneiras de fazer as mesmas coisas, acessando assim sensações, sentimentos, ritmos, capacidades e possibilidades até então ignoradas, que quando vivenciadas poderão nos trazer autoestima, equilíbrio, bem estar e muito mais!

As aulas de Expressão Corporal e Dança que temos no espaço Metamorphosis é um trabalho inédito e único em Curitiba idealizado pelas Musicoterapeutas e Terapeutas Corporais Fabiane Alonso Sakai e Letícia Salum

com o objetivo de proporcionar às pessoas com alguma dificuldade física, mental ou emocional uma atividade lúdica e prazerosa para ajudar a desenvolver uma vida com maior qualidade para essas pessoas.

Marque uma entrevista: (41) 3343-4410 / 9644-6973.

Grupo de Musicoterapia para Gestantes e Mães com Cintia Albuquerque em Curitiba…

1960010_577578309003186_1143747504_n

Menina com Síndrome de Down aprende a ler com Música…

Menina com Síndrome de Down aprende a ler com Música…

Quinta-feira, 20 de Fevereiro de 2014

Menina com Síndrome de Down aprende a ler com música

Menina com Síndrome de Down aprende a ler com música

© Simon Kent

<!–

No Reino Unido, uma menina de sete anos com Síndrome de Down está à frente dos seus coelgas de escola, graças às extraordinárias capacidades de leitura que desenvolveu com os pais a cantar para si desde o dia em que nasceu.
 
A música foi sempre aquilo que Simon e Jo Kent acharam ser a melhor forma de ajudar a filha, Evie, no seu dia-a-dia. Os dois punham música para a menina ainda quando esta se encontrava na barriga da mãe, mas sem nunca imaginar o efeito que esse comportamento viria a ter no desenvolvimento da criança.
 
“Bombardeamo-la com música desde o dia que ela nasceu”, afirma o pai, Simon Kent, de 35 anos. Ele e a mulher souberam que a filha ia nascer com Síndrome de Down na altura da ecografia das vinte semanas, quando esta revelou um defeito cardíaco no feto. 
 
“Na altura, foi um choque. Mas, depois, no dia a seguir, arregaçámos as mangas e fomos à procura de tudo aquilo que podíamos de fazer para a ajudar a viver a vida ao máximo.”, conta Jo, de 33 anos. “Mesmo quando ainda estava grávida, punhamos a tocar Mozart, porque lemos que a música clássica ajuda a estimular o cérebro”.
 
Desde então, todos os dias, este casal de Portsmouth, Hampshire, entoava e punha a tocar canções com ritmos e versos adaptados às necessidades da menina. O método ajudava-a a comunicar no dia-a-dia, contribuindo para o seu desenvolvimento intelectual e cognitivo. 
 
“Quando ela nasceu, por exemplo, tinha muito a tendência para abrir só um olho. Então cantávamos-lhe a 'I Spy Evie Pie', que a encorajava a abrir os dois”, revela o casal. Na fisioterapia, eram recorrente o single 'Bicycle Race', dos Queen, e para vestir o casaco, 'Baby Hands Up', para que a menina levatasse os braços. 
 
“Quando ela era mais pequena cantávamos sempre as instruções para se vestir, tomar banho, ir dormir, etc.”, acrescenta Simon. Mais tarde, quando entrou para a escola, Evie usou precisamente esse método para aprender a ler, a escrever e a fazer contas. Hoje, com sete anos, dá provas de estar cerca de um ano à frente dos colegas no que diz respeito à leitura.
 
“Está totalmente integrada no ambiente escolar. Tem imensos amigos e os professores já nos disseram estar impressionados com o seu desenvolvimento”, garante Simon. 

Notícia sugerida por António Resende

–>

No Reino Unido, uma menina de sete anos com Síndrome de Down está à frente dos seus coelgas de escola, graças às extraordinárias capacidades de leitura que desenvolveu com os pais a cantar para si desde o dia em que nasceu.

A música foi sempre aquilo que Simon e Jo Kent acharam ser a melhor forma de ajudar a filha, Evie, no seu dia-a-dia. Os dois punham música para a menina ainda quando esta se encontrava na barriga da mãe, mas sem nunca imaginar o efeito que esse comportamento viria a ter no desenvolvimento da criança.

“Bombardeamo-la com música desde o dia que ela nasceu”, afirma o pai, Simon Kent, de 35 anos. Ele e a mulher souberam que a filha ia nascer com Síndrome de Down na altura da ecografia das vinte semanas, quando esta revelou um defeito cardíaco no feto. 

“Na altura, foi um choque. Mas, depois, no dia a seguir, arregaçámos as mangas e fomos à procura de tudo aquilo que podíamos de fazer para a ajudar a viver a vida ao máximo.”, conta Jo, de 33 anos. “Mesmo quando ainda estava grávida, punhamos a tocar Mozart, porque lemos que a música clássica ajuda a estimular o cérebro”.

Neuromúsica – Curso sobre Música e Cérebro – 14 Março (ver anexo)…

Descriptivo Musica y cerebro